325

São Paulo: Incendiary sabotage of ITAU Bank by 'Movimento Insurgente Anarquista – MIA' (Brazil)

The attack was on an ITAU Bank, in the central region of São José dos Campos – São Paulo, Brazil.

“We have this fantasy that our interests and the interests of the super-rich are the same – as if, somehow, the rich eventually will become so wealthy that they will explode, and the candy will rain down on the rest of us. As if they were a kind of piñata of benevolence. But here’s the truth about the piñatas: They do not break alone. You have to hit them with a stick.”

Our recent attack on a Bradesco bank raised some doubt in the corporate media. Indeed, the bomb placed in the third [ATM] cubicle did not explode. The intention, so far, as reported by certain outlets, was the robbery of your rotten money. But after all, an incendiary device with 5 gallons of gasoline with oil and additives, will never make an ATM explode.

Our intention was to burn your house of Capital.

On the night of 13 September, in one of the elite neighborhoods of Sao Jose dos Campos, we carried out another incendiary attack on a bank branch. This time we targeted ITAU, who in the second business quarter of 2015 made an obscene income of R$5.9 billion.

Apparently, cashing in on interest and speculating on other people’s labour is the only thing that actually continues to move the already rusty gears of the capitalist superstructure. It’s the insanity of our times, where the weakest live in crisis while those at the top feast at our expense. The attacks upon the lower classes they call ‘adjustment’, whilst any attack against the upper classes they call ‘terrorism.’

As if that was not enough, the puppet [President] Dilma Rousseff attacks the workers with harsh austerity measures, divestment and cuts to social programs and we still have to swallow a congress full of rats and worms – and all strains of parasites – fattening their stomachs with money coming from the lobbying of corporations, companies, banks and agribusiness. Suits acting in their own interests against the wishes of the people. This is what is known as ‘democracy.’

Representative democracy – capitalized and financialized to the core – is nothing more than like the analogy of a cannibalistic dinner – every four years we vote to choose which sauce we will be eaten alive with.

Regarding the cynical and treacherous Rouseff government, we must emphasize: There is no coup underway. It’s management benefits precisely the same sectors that overthrew Jango and Getúlio last century. There is nothing for them to fear, since the coup sectors are now well filled and further protected under the mantle of a ‘socialist government.’ There is not even a democracy to be defended. The political regime of the broken; the suburbs and slums of Brazil has always been the military dictatorship. We do not want to choose the sauce, we want to get out of the oven and decapitate the cook!

The state, foreseeing the collapse of the capitalist system in the not too distant future has begun to make it’s move on the chess board, using the horses and the pawns to protect the King. From Brazil to Spain – through to Italy, Ireland, Portugal and Greece – what we are now seeing is the desperation of the ruling classes as they position the repressive apparatuses once more to attack the youth and the workers.

The anti-terrorism law, which is guided by congress, has gone far beyond the censorship of a few years ago. Once again in the name of ‘security’ they take aim at freedom. It’s an attempt to silence those who refuse to accept the iron yoke of austerity that has resulted from the endless feast of the upper classes. Are we terrorists because we burn a bank? Yes we are. But we are no more terrorists than those who under the direct order of the State are slaughtering the blacks, the poor and others on the periphery. No more than those who are attacking the teachers and the strikers. No more terrorists than those who sell tear gas, missiles and weapons to the Zionist regime of Israel. The real terror is imposed from the top down, from those who have the money and equipment to utilise terror as a method of social and financial domination.

Comrades, to burn a bank is nothing more than a direct reaction to what is usually called ‘social peace.’ something that we prefer to call ‘the silence of the oppressed.’

It is obvious that the time for this has ended.

We will continue to burn and sabotage everything that represents the mainstay of your fortress that was built on other people’s blood and sweat. From banks to the palaces of kings and corporation to the houses of senators, mayors and presidents.

However, we emphasize that we know it is not feasible to destroy the superstructure and replace it with a new social order based on equality and freedom by simply burning some bank branches. We are aware that such actions only constitute a cry of desperation to the numb masses who are trying to labour under the dream that one day they will become leaders or bosses, when the reality is that underneath their feet they will always be tied to chains of iron.

There is a famous quote by Henry Ford, one of the patrons of the current capitalist system that says: “It’s good that people do not understand the banking and monetary system, otherwise, I think there would be a Revolution tomorrow morning.”

The target of the revolution and it’s ensuing chaos is not the man or the woman who cleans the floor of the bourgeois for a few crumbs, the target is the system that allows for the existence of such an unequal relationship.

Some may argue that by burning a bank that we are causing damage to those at the bottom as well as those at the top by depriving the latter of access to routine processes that require a bank branch. To this we respond with the cruel truth of history: structural changes require sacrifice.

To those who draw inspiration from our actions, we call on you to organize regionally and carry out your own actions. Two people and a few liters of gasoline can impose more chaos on the social order than a thousand or even a hundred thousand peaceful and obedient people could ever achieve.

Organize into autonomous cells of MIA or any other revolutionary insurgency. Make fire and gunpowder your battle cry!

Moreover, do not listen to media anchors who are subservient to imperialism – the soulless children of those who once slaughtered the Indigenous on Brazilian soil. Accumulators of gold and capital, indirect genocidal killers who sever the supreme link to humanity that remains for all of us: the Truth.

The media will always attack the subversive using it’s full arsenal. Just read a few pages of the newspapers or watch a few minutes of any TV channel and you will observe the furious defense by certain anchors of their sponsors. Like guard dogs they will do whatever it takes to maintain the pristine image of the banks, companies and even nations that continue to finance the media in Brazil, a type of relationship that is very reminiscent of feudalism.

We cry: do not trust in Kings, shepherds, media or bankers. All the authorities represent the hundreds of pillars that hold up our misery.

The only truth and the only God resides in you and in every living thing around us.

Solidarity with imprisoned anarchists in Spain, Greece, Turkey and other countries constituting the European fortress!

In solidarity with the CCF, FAI and other insurgent organizations!

The wealthy, the bourgeoisie and the state are just paper tigers.

No more wars between people to enrich worms in bunkers on another continent!

No more sweat to fill the parasites pocket!

We will make bombs and sabotage our only voice against injustice!

Insurgent Anarchist Movement
September 14, 2015

“Nós temos essa fantasia que os nossos interesses e os interesses dos
super-ricos são os mesmos – como se, de alguma maneira, os ricos
eventualmente ficarão tão cheios que explodirão, e os doces choverão
para o resto de nós. Como se eles fossem um tipo de piñata de
benevolência. Mas eis a verdade sobre as piñatas: Elas não se quebram
sozinhas. Você tem que bater nelas com um bastão.”

O recente ataque à uma agência bancária do Bradesco ressaltou certa
dúvida na mídia corporativa joseense. De fato, a bomba alocada no
terceiro caixa não explodiu. A intenção, de longe, como noticiado em
certos veículos, era a apoderação do vosso podre dinheiro. Afinal, uma
bomba de 5 litros de gasolina, com óleo e aditivos, jamais explodiria um
caixa eletrônico.

Nossa intenção era queimar o vosso templo do Capital.

Na noite do dia 13, incendiamos novamente, em um dos bairros mais elitizados de São José dos Campos, uma agência bancária. Desta vez, Itaú. Banco que apenas no segundo trimestre de 2015 obteve um lucro pornográfico de R$ 5,9 bilhões.

Ao que parece, lucrar em cima de juros e especulação do trabalho alheio,
é a única coisa que de fato continua a mover a já enferrujada engrenagem
da superestrutura capitalista. Insanidade de nossos tempos onde a crise
recai sobre os mais fracos, enquanto os de cima festejam às nossas
custas. Ao ataque em cima das classes baixas, chamam de “ajuste”. Ao
ataque às classes altas, chamam de “terrorismo”.

Como se não bastasse a gerência fantoche de Dilma Rousseff atacar os
trabalhadores com duras medidas de austeridade, desinvestimento e cortes
em programas sociais, ainda temos de engolir um congresso lotado de
ratos e vermes – parasitas de todas as estirpes – enchendo o bucho de
dinheiro provindo do lobby de corporações, empresas, bancos e do
agronegócio. Engravatados agindo em prol de interesses excusos aos
anseios do povo. À isto, costumam chamar de “democracia”.

A democracia representativa – capitalizada e financeirizada até a raíz –
nada mais é do que a analogia de um jantar canibal: a cada 4 anos,
votamos para escolher com qual molho seremos comidos vivos.

Ao governo pelego, cínico e traidor de Dilma Rousseff, ressaltamos: Não
há golpe a caminho. Sua gerência beneficia justamente os setores que
depuseram Jango e Getúlio no século passado. Não há o que temer, visto
que os setores golpistas de outrora agora estão muito bem saciados,
ainda mais protegidos sob o manto de um “governo social”. Não há sequer
uma democracia a ser defendida. O regime político das quebradas,
periferias e favelas do Brasil sempre foi o militar; a ditadura. Não
queremos escolher o molho. Queremos sair do forno e decapitar o
cozinheiro.

O Estado, ao visualizar o futuro colapso do sistema capitalista não tão
distante, inicia sua jogada, como em um tabuleiro de xadrez, colocando
os cavalos e peões a protegerem o Rei. Do Brasil à Espanha – passando
pela Itália, Irlanda, Portugal ou Grécia – o que se vê é o desespero das
classes dominantes a posicionar o aparato de repressão mais uma vez em
posição de ataque contra a juventude e os trabalhadores.

A lei antiterrorismo que hoje é pautada em congresso, não está muito
longe do que a alguns anos atrás costumavam chamar de censura. Em nome
da “segurança”, mais uma vez atiram na liberdade. É mais uma tentativa
de calar aqueles que não aceitam o jugo de ferro da austeridade,
resultante da festa inacabável dos de cima. Se somos terroristas por
queimarmos uma agência bancária? Sim, somos. Porém não mais terroristas
que aqueles, sob ordem direta do Estado, chacinam negros e pobres na
periferia. Não mais terroristas que aqueles que batem em professores ou
grevistas. Não mais terroristas que aqueles que vendem gás lacrimogêneo,
mísseis ou armas para o cruel regime sionista de Israel. O verdadeiro
terror é imposto de cima para baixo, a partir daqueles que de fato
possuem instrumento e dinheiro para aplicar o terror como método de
dominação social e financeira.

Queimar uma agência bancária, meus camaradas, nada mais do que é a
reação direta de décadas daquilo que vocês costumam chamar de “paz
social”, à qual nós preferimos denominar “silêncio dos oprimidos”.

É evidente que isso teria hora para acabar.

Continuaremos a incendiar e sabotar tudo aquilo que represente o
sustentáculo da vossa fortaleza, erguida sob sangue e suor alheio. De
bancos à palácios de Reis; das Corporações às casas de Senadores,
Prefeitos ou Presidentes.

Porém, ressaltamos que a ideia de destruir a superestrutura e colocar em
seu lugar uma nova ordem social baseada na igualdade e liberdade, a
partir da simples queima de agências bancárias, não é algo factível.
Temos ciência de que tais ações constituem apenas um clamor, um grito de
desespero às massas dormentes que tentam olhar para cima com o sonho de
um dia se tornarem chefes ou patrões, enquanto a realidade é que
embaixo, seus pés estarão sempre amarrados em correntes de ferro.

Há uma célebre frase de Henry Ford, um dos patronos do atual sistema
capitalista, que declama: “É satisfatório que as pessoas não entendam o
sistema bancário ou monetário, pois do contrário, creio que haveria uma
revolução amanhã de manhã.”

Iniciaremos nossa jornada de ataques às corporações e bancos, causando o
máximo de dano com o mínimo de risco. O alvo da revolução e do caos
edificante não é o trabalhador ou a senhora que limpa o chão do burguês
por algumas migalhas, mas sim contra o sistema que permite a existência
deste tipo de relação desigual.

Alguns podem argumentar que, ao incendiar um banco, estamos ao mesmo
tempo causando dano aos de cima e aos de baixo, ao privar os segundos de
acesso à processos rotineiros que exigem uma agência bancária. À estes,
apresentamos a História e sua cruel verdade: mudanças estruturais exigem
sacrifício.

Aos que se inspirarem em nossas ações, conclamamos que se organizem
regionalmente e iniciem suas ações. Duas pessoas e alguns litros de
gasolina podem impor à ordem social um caos que mil ou cem mil pessoas
pacíficas e obedientes jamais o fariam.

Organizem-se em células autônomas do MIA ou qualquer outra insurgência
revolucionária. Façam do fogo e da pólvora o vosso grito de guerra.

Ademais, não dêem ouvidos aos âncoras de mídias subservientes ao
imperialismo – todos filhos de alma daqueles que um dia chacinaram
indígenas em solo brasileiro. Acumuladores de ouro e capital, indiretos
genocidas que matam a pauladas o supremo elo de humanidade que ainda nos
resta: a Verdade.

A mídia sempre atacará aos subversivos com todo o seu arsenal midiático.
Basta folhear alguns jornais ou assistir à alguns minutos de qualquer
canal de televisão para observar que seus patrocinadores logo explicam a
coqueluche raivosa de certos âncoras. Quase como cães de guarda, fazem o
possível para manter intocada a imagem de Bancos, Empresas ou até
nações, que continuam a financiar os meios de comunicação no Brasil, em
um tipo de relação que muito lembra o feudalismo.

Clamamos: Não confiais em Reis, Pastores, Mídias ou Banqueiros. Toda a
autoridade representa um entre centenas de pilares que sustentam nossa
miséria.

A única verdade e o único Deus reside em ti e em tudo que de vivo há em
nosso redor.

Em solidariedade aos anarquistas imprisionados na Espanha, Grécia,
Turquia e demais paises que constituem a fortaleza européia!

Em solidariedade à CCF, FAI e demais organizações insurgentes!

A riqueza, a burguesia e o Estado são apenas tigres de papel.

Não mais guerras entre povos para enriquecer vermes em bunkers de outro
continente!

Não mais suor para encher o bolso de parasitas!

Faremos das bombas e sabotagens nossa única voz perante as injustiças!

MOVIMENTO INSURGENTE ANARQUISTA
14 de Setembro de 2015

Tags: , , , , , ,

This entry was posted on Wednesday, September 16th, 2015 at 12:36 pm and is filed under Direct Action.